Bayer aumenta a doação de medicamentos para doentes com ébola

18/12/2014 - 09:40


A Bayer aumentou o apoio aos doentes de ébola na Libéria e na Serra Leoa. A companhia efectua nova entrega do antibiótico ciprofloxacina, com um valor de 1.150.000 euros. Esta medicação não trata a infecção com o vírus ébola em si, mas pode ser usada para as infecções bacterianas secundárias que podem ocorrer na sequência da infecção com risco de vida. A distribuição para as duas clínicas na Monróvia, a capital da Libéria, e em centros de saúde na área circundante à capital, será realizada pela maior organização especializada em ajuda internacional e distribuição de medicamentos, com sede na Alemanha, "Action Medeor - Das Medikamentenhilfswerk". A Bayer já doou ciprofloxacina em várias dosagens e com diferentes formas de administração num valor de cerca de 2,57 milhões de euros para o tratamento de doentes infectados com o vírus ébola na Serra Leoa e na Libéria, através de outra organização, a norte-americana "Direct Relief". Esta doação de medicamentos para o tratamento de ébola a doentes africanos num valor total de 3,7 milhões de euros é uma das maiores já feitas pela Bayer.


“Continuamos a reforçar o nosso compromisso de ajuda às pessoas infectadas e a procurar contribuir para controlar a epidemia desta doença” refere Marijin Dekkers, Chairman do Board of Management da Bayer AG. “Com esta doação, damos continuidade à nossa responsabilidade social enquanto companhia internacional de saúde”.

 

A companhia está também a doar 50.000 euros à “Action Medeor”, com a finalidade de ajudar à compra de equipamento de protecção para duas enfermarias que foram criadas na Monróvia, nos finais de Outubro de 2014. A companhia já fez também uma doação à Caritas Internacional, no valor de 25.000 euros, para a compra e distribuição de desinfectante das mãos para a Libéria, como medida preventiva.

 

Bayer: Ciência para uma Vida Melhor

 

A Bayer é uma empresa global com competências centrais nas áreas da saúde, agricultura e materiais de alta tecnologia. Como empresa de inovação, a Bayer marca a tendência em áreas de investigação intensiva. Os produtos e serviços Bayer foram desenvolvidos para o benefício das pessoas e contribuírem para a melhoria da qualidade de vida. Ao mesmo tempo, o Grupo visa criar valor através da inovação, crescimento e alta rentabilidade. A Bayer assume o compromisso com os princípios de desenvolvimento sustentável e actua de forma social e eticamente responsável. No exercício de 2013, o Grupo empregou 113.200 funcionários, obteve uma facturação de cerca de 40.200 milhões de euros, realizou investimentos de mais 2.200 milhões de euros e destinou mais de 3.200 milhões de euros para investigação e desenvolvimento.

 

 

Fonte: comunicado de imprensa 

Bluepharma lança colecção “Farmacopeias Portuguesas”

17/12/2014 - 09:14


A Bluepharma, em parceria com a Universidade de Coimbra, vai lançar no próximo dia 18 de Dezembro, pelas 17:30, a colecção “Farmacopeias Portuguesas” no piso Nobre da Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra.


“Ao fomentar esta cooperação com a Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra e com a Imprensa da Universidade de Coimbra, esperamos estar a contribuir para a preservação deste acervo histórico e para a divulgação destes referenciais da profissão farmacêutica. Selecionámos, assim, um conjunto de dez Farmacopeias que nos propomos editar ao ritmo de um por ano”, revela Paulo Barradas Rebelo, Presidente da Bluepharma.

 

E acrescenta: “os princípios de qualidade e segurança que regem a atividade diária desenvolvida pela Bluepharma representam a principal razão que nos motiva a apoiar esta edição fac-simile da Farmacopeia Portuguesa”.

 

A organização desta coleção, bem como a apresentação desta obra sobre a arte e a técnica de preparar medicamentos estará a cargo do Doutor João Rui Pita, professor da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra.

 

 

Fonte: comunicado de imprensa

MSD pode facturar mil milhões com a falta de sono alheia

16/12/2014 - 09:25


A MSD (conhecida nos EUA e Canadá como Merck & Co.) pretende facturar com a falta de sono alheia. A farmacêutica americana deve lançar até ao início do próximo ano um novo medicamento que combate a insónia, baptizado de Belsomra®, avança o EXAME.com.


O medicamento foi recentemente aprovado pela U.S. Food and Drug Administration (FDA), agência norte-americana que regula os medicamentos, e tem grandes probabilidades de se tornar um sucesso de vendas, pois promete revolucionar o tratamento da insónia.


De acordo com dados da GlobalData, consultoria especializada no mercado farmacêutico, as vendas do Belsomra®podem chegar a mil milhões de dólares. As informações são da revista Veja.

 

“Apesar dos desafios iniciais, o Belsomra® terá considerável sucesso comercial e pode tornar-se uma opção de tratamento de primeira linha para a insónia”, afirmou a GlobalData, em relatório.

 

O novo medicamento é o resultado de mais de uma década de pesquisa em neurociência e “evidência o compromisso de longa data da empresa com a inovação", afirmou David Michelson, vice-presidente de Neurociências da MSD, em nota.

 

Resultados

 

A novidade só vem para agregar os bons resultados da farmacêutica. No segundo trimestre, o lucro da MSD aumentou 120% na comparação com o mesmo período do ano passado, totalizando 2 mil milhoes de dólares.

 


Fonte: Daniela Barbosa Daniela Barbosa/EXAME.com
http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/como-a-merk-pode-faturar-us-...

Grupo Azevedos prevê facturar 130 milhões em 2014

10/12/2014 - 09:02


Começou por ser uma "botica": a botica Azevedo, reconstruída em 1775 no rescaldo do terremoto que assolou Lisboa e o Rossio. A fusão com outra farmácia com o mesmo nome deu origem ao grupo e à marca Azevedos. Se hoje passarmos pelo Rossio, mais concretamente pelo número 31 da Rua de Santa Justa, verificamos que do edifício da "botica" pouco ou nada resta, mas o grupo é um dos maiores do sector farmacêutico a operar em Portugal, conta o Diário Económico.


"Nos últimos quarto anos conseguimos ganhar 20 posições no ‘ranking' do mercado farmacêutico português e estamos no top 50 das empresas que mais vendem em Portugal", refere ao Económico Dino Rosado, chefe nacional de vendas nos Laboratórios Azevedos.

 

Com participação em toda a cadeia do medicamento o grupo Azevedos nunca deixou de ser um negócio de família. "O facto de estarmos presentes em toda a cadeia do medicamento tem a vantagem de conseguirmos incorporar a necessidade, ou o melhoramento, em qualquer momento do processo logo que o identificamos", diz António Pereira, director de marketing e business development da marca.

 

O grupo está dividido em quatro áreas chave: mercado ambulatório, produção, logística e internacional. Em 2014, a Sofarimex, a empresa que lidera a produção de medicamentos em Portugal, deve registar um volume de negócios de 25,7 milhões de euros, dos 130 milhões que o grupo prevê facturar. Já este valor compara com uma facturação de 127 milhões registada no ano passado.

 

Produzir em larga escala e abrir portas nos mercados internacionais sempre foi a opção do Azevedos como de estratégia de crescimento.

 

Actualmente, o grupo tem presença em mais de 44 países e as perspectivas de crescimento contribuíram para que a administração optasse por ampliar capacidade de produção da fábrica da Sofarimex em Queluz, nos arredores de Lisboa.

 

Os responsáveis do grupo estão conscientes que o Azevedos nasceu num país pequeno onde é mais difícil a aposta em investigação e desenvolvimento, facto que não tem impedido o grupo de fazer alguns investimentos na área. São cerca de um milhão de euros anuais para investigar novo produtos, em alguns casos com ajuda preciosa de parcerias.

 

"Não podemos fechar a porta à possibilidade de adquirir algo já feito por uma questão de racionalidade de custos. O grande desafio é correr o risco de desenvolver algo que, no final, pode não dar certo", afirma o director de marketing e business development. Na área de investigação e desenvolvimento o grupo Azevedos conta com 30 colaboradores que estão actualmente a desenvolver cerca de oito produtos.

 

As mudanças que se operaram no sector da saúde e farmacêutico nos últimos anos em Portugal obrigaram à redefinição da estratégica, sobretudo da força de vendas. "Tivemos que reforçar e diversificar em função das necessidades da companhia", acrescenta Dino Rosado.

 

Hoje o grupo Azevedos tem no seu portefólio mais de 650 produtos e uma base anual de produção total na ordem dos 76 milhões. Até 2008 tinha lançado 24 novos genéricos no mercado, de resto, uma das unidades de maior crescimento na casa. Cerca de 95% destes medicamentos são na área de cardiologia e sistema nervosos central, ficando os restantes 5% reservados aos analgésicos, antogripais, antipiréticos e antitússicos. "Nos próximos três anos vamos lançar cerca de 30 a 40 novos produtos genéricos. Sem ser genéricos também temos algumas inovações", refere António Pereira.

 

Com 666 colaboradores o grupo Azevedos quer continuar a dar cartas no sector e a ambição é clara. "Nos próximos quatro anos esperamos ganhar mais 20 lugares no ‘ranking'", antecipa Dino Rosado, chefe nacional de vendas nos Laboratórios Azevedos.

 

Metas para cumprir a médio prazo que podem ser o início de mais dois séculos de existência do Azevedos no mercado.

 

Fonte: Alda Martins/Diário Económico
http://economico.sapo.pt/noticias/azevedos-preve-facturar-130-milhoes-em...

MSD compra Cubist Pharmaceuticals

09/12/2014 - 09:08


A MSD (conhecida nos EUA e Canadá como Merck & Co) aceitou comprar a Cubist Pharmaceuticals por 8,4 mil milhões de dólares, cerca de 6,8 mil milhões de euros. A farmacêutica americana está a oferecer um prémio de 37%, avança o Jornal de Negócios.


A MSD aceitou adquirir a Cubist Pharmaceuticals por 8,4 mil milhões de dólares, cerca de 6,8 mil milhões de euros, em dinheiro. Para a farmacêutica americana, esta operação pode permitir-lhe vir a ter no seu portefólio mais medicamentos para ajudar a combater infecções bacterianas mais resistentes a medicamentos já existentes.

 

De acordo com a Bloomberg, a Cubist planeia introduzir quatro novos medicamentos, até 2020, para combater as infecções bacterianas, resistentes a outros tratamentos devido ao seu uso excessivo.

 

A ameaça crescente deste tipo de doenças levou as autoridades de saúde pública internacionais a tentarem que as farmacêuticas desenvolvessem medicamentos resistentes a este tipo de infecções.

 

As grandes farmacêuticas têm vindo a apostar no desenvolvimento de medicamentos para outro tipo de doenças, como o cancro, por puderem dar retornos mais elevados.

 

De acordo com o comunicado das duas empresas, citado pela agência de informação, a MSD vai iniciar uma oferta de 102 dólares por acção da Cubist, um valor que fica acima do valor de fecho da última sexta-feira, 5 de Dezembro, dia em que fechou a valer 74,36 dólares. O que significa que a MSD está a oferecer um prémio de 37,2% face ao valor de fecho de sexta-feira.

 

Tendo em conta também a dívida líquida, o negócio está avaliado em 9,5 mil milhões de dólares, cerca de 7,7 mil milhões de euros.

 

 

Fonte: Jornal de Negócios
http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/merck_compra_cubist_phar...

PharmAssistant em parceria com a Bayer para testar caixa de medicamentos inteligente

04/12/2014 - 09:08


Depois de ter sido seleccionada para o programa de aceleração da Bayer, a PharmAssistant vai testar a caixa de medicamentos inteligente na Alemanha, em parceria com a farmacêutica germânica, avança o Observador.

 

A caixa de medicamentos inteligente que Diogo Ortega desenvolveu – para lembrar quem está doente que está na hora de tomar a medicação – está a dar frutos na Alemanha. Depois de ter sido seleccionada pela farmacêutica Bayer para participar no programa que criou para acelerar startups, o Grants4Apps, a PharmAssistant anunciou uma parceria com o gigante da área farmacêutica para o desenvolvimento de um teste piloto.


“Os três meses e meio que passámos em Berlim e em Leverkusen permitiram­-nos desenvolver o nosso modelo de negócio e estabelecer uma rede dentro da farmacêutica, e com os ‘stakeholders’ mais relevantes no mercado alemão. Este piloto é apenas o primeiro passo numa relação que esperamos duradoura”, afirma Diogo Ortega, presidente e co­-fundador da PharmAssistant.


A parceria com a equipa de Product Supply Innovation da Bayer foi anunciada no evento de encerramento do programa, o Demo Day, na Alemanha, na segunda-feira, 1 de dezembro, e o próximo passo da equipa é fechar a primeira ronda de investimento: 300 mil euros até ao início de 2015, que estão a ser negociados com investidores portugueses e estrangeiros. Até agora, a Bayer investiu 50 mil euros na startup portuguesa.

 

A Bayer também lhes ofereceu a possibilidade de permanecerem mais tempo na sede da empresa, mas Diogo Ortega quer montar o escritório da empresa em Lisboa. Na Alemanha, estão a considerar abrir uma subsidiária e em Portugal já há vagas para quem se quiser juntar à startup. Para compor as equipas de desenvolvimento e produto, a empresa abriu um processo de recrutamento para as áreas de engenharia, business development, marketing e comunicação.

 

Apoio para familiares e profissionais de saúde

 

Cinco comprimidos às 9 horas, dois às 13h e quatro ao deitar. A situação parece-lhe familiar? (E alguma vez se esqueceu ou atrasou a toma de algum deles?) Foi para evitar situações deste tipo que Diogo Ortega criou a PharmAssistant, em Abril de 2014. A ideia surgiu depois de a sua avó ter trocado um medicamento que era para o avô. Formado em Gestão, em Londres, trabalhava como comissário de bordo na TAP, de onde se despediu para avançar com o projecto.

 

A caixa de medicamentos inteligente que está a ser desenvolvida por Diogo Ortega, pode ser ligada ao smartphone, para lembrar que está na hora de tomar os medicamentos. Além de um alarme visual e sonoro, a caixa tem um sensor de abertura e está ligada a um serviço de monitorização em nuvem (cloud) permite que os familiares ou profissionais de saúde percebam se o utilizador está a tomar os medicamentos a horas.

 

A ideia foi um dos três finalistas do programa de aceleração de startups Lisbon Challenge, promovido pela Beta-i e, antes, já tinha vencido o Appy Day BPI, uma competição para a criação de aplicações mobile, organizada pelo BPI em parceria com a Nos, Microsoft, Google GMS Store e TVI 24. É constituída por uma equipa de quatro empreendedores.

 

No Demo Day, foram apresentados resultados das cinco startups do Grants4Apps, apuradas entre 70 candidaturas. A farmacêutica disponibilizou às startups um espaço no escritório em Berlim, 50 mil euros e acesso à rede de contactos, além do apoio de dois mentores. A PharmAssistant também foi finalista do Startups@Reeperbahn, em Hamburgo, na Alemanha, e estabeleceu uma parceria com a Universidade do Texas, através do programa UTEN Portugal.

 

 

Fonte: Observador
http://observador.pt/2014/12/02/pharmassistant-em-parceria-com-bayer-sol...

Novartis fomenta ‘Boas Práticas de Governação’

03/12/2014 - 09:05


A Novartis organiza, pelo quarto ano consecutivo, o Workshop “Boas Práticas de Governação”, um programa que possibilita aos ACES e Hospitais desenvolver a formação dos seus profissionais ao nível das competências de gestão e implementar projectos relevantes para a comunidade de utentes beneficiando de apoio técnico especializado. O Workshop realiza-se no próximo dia 5 de Dezembro, entre as 10h e as 17h, no Centro de Congressos do Taguspark, em Porto Salvo.


O programa Boas Práticas de Governação surgiu em 2010, no âmbito da consolidação da reforma dos Cuidados de Saúde Primários. A Novartis desenvolveu o programa, em parceria com a Universidade Nova de Lisboa (UNL), que proporciona aos participantes uma oportunidade de acesso a um plano curricular desenvolvido pela universidade e que lhes garante as bases teóricas e o acompanhamento necessário ao desenvolvimento dos projectos.

 

Este ano, o programa tem como tema “Caminhos para a Articulação” e pretende criar as condições para o desenvolvimento de projectos de inovação, promovendo o desenvolvimento de boas práticas que fomentem uma maior articulação de cuidados, entre os cuidados primários e hospitalares, que possam trazer melhorias efectivas para o doente.

 

O IV Workshop de Boas Práticas de Governação pretende ser um fórum de discussão anual para apresentação dos trabalhos desenvolvidos. Os projectos em destaque no IV Workshop, seleccionados em cada uma das ARS e em áreas prioritárias de intervenção, serão cinco: 

 

A contratualização como incentivo a uma Gestão Clínica Integrada no Cancro do Cólon e Recto
ARS LVT; ACES Almada Seixal, Hospital Garcia de Orta

 

Seguimento Integrado do Doente com AVC
ARS Alentejo; ACES Alentejo Central, Hospital de Évora

 

Figueira Respira

Uma nova oportunidade para fumadores e ex-fumadores
ARS Centro, ACES Baixo Mondego, Hospital da Figueira da Foz

 

Caminhe Sempre com os dois Pés

Articulação de cuidados na gestão do doente Diabético
ARS Norte /ACES Porto Oriental / ACES Maia-Valongo/ Hospital São João

 

Caminhos para articulação em Oncologia
ARS Norte/ ACES Baixo Tâmega / IPO Porto /Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa

 

 

Fonte: comunicado de imprensa 

GlaxoSmithKline vai eliminar empregos nos EUA para economizar

01/12/2014 - 09:09


A farmacêutica GlaxoSmithKline vai informar esta semana à sua equipa nos EUA sobre o corte de centenas de postos de trabalho no país que é seu maior mercado, num momento no qual a empresa começa a implementar um importante programa de economia nos gastos, disseram, este domingo, fontes próximas ao assunto, à agência Reuters, avança o jornal O Globo.


A principal farmacêutica britânica anunciou no dia 22 de Outubro — quando publicou os seus resultados do terceiro trimestre — que o novo esquema de reestruturação permitirá economizar mil milhões de libras nos seus custos anuais em três anos, mas que ainda deve dizer aos empregados em quais áreas serão feitos os cortes.

 

Os funcionários nos EUA, onde a GSK tem enfrentado dificuldades em função das baixas vendas dos seus medicamentos respiratórios serão informados sobre as mudanças na quarta-feira pelo director de medicamentos da GSK para a América do Norte, Deirdre Connelly, disseram as fontes.

 

Produto com maior vendas regista queda

 

O porta-voz da GSK não quis dar detalhes, mas disse que o objectivo do programa de reestruturação era melhorar o desempenho ao reduzir a complexidade e estabelecer uma organização menor em tamanho e em custo.

 

“Cada unidade de negócio está actualmente a ver como responder a este desafio. Quando tivermos propostas, primeiro as compartilharemos com nossos funcionários”, disse, em comunicado enviado por e-mail.

 

Os medicamentos para tratamento de problemas respiratórios têm sido, tradicionalmente, o negócio mais forte da GSK, e o Advair® — uma terapia de inalação contra a asma e enfermidades crónicas dos pulmões — é o seu produto com maiores vendas. Porém, mesmo as vendas do Advair®caíram nos EUA, enquanto outros tratamentos da farmacêutica para doenças respiratórias não conseguiram sucesso no país.

 

Fonte: Reuters/O Globo
http://oglobo.globo.com/economia/glaxosmithkline-eliminara-empregos-nos-...
 

Novartis e NMS|FCM premeiam investigação em Medicina e Ciências da Vida

27/11/2014 - 08:10


A Novartis e a NOVA Medical School | Faculdade de Ciências Médicas (NMS|FCM) da Universidade NOVA de Lisboa vão atribuir, no próximo dia 27 de Novembro, uma bolsa de apoio a projecto de investigação de um aluno de doutoramento em Medicina ou Ciências da Vida. O vencedor será conhecido durante a cerimónia de abertura da 6ª edição dos Programas Doutorais em Medicina e Ciências da Vida da Universidade NOVA de Lisboa, que decorrerá pelas 18h00 na Sala dos Atos da Faculdade, no Campo Mártires da Pátria, 130, em Lisboa.


A parceria estabelecida entre as duas entidades pretende premiar projectos de investigação de excelência de alunos dos programas de doutoramento nas áreas de Medicina e Ciências da Vida através da concessão de uma bolsa anual por um período de quatro anos. Todos os candidatos à Bolsa são alunos de Doutoramento da NMS|FCM, com projecto de tese de doutoramento aprovado pelo Conselho Científico até à data de abertura do concurso.

 

A criação desta Bolsa surge no âmbito da missão da NMS|FCM, na vertente da responsabilidade social na formação qualificada para a investigação e carreira académica na área multidisciplinar de Medicina e com o objectivo de formar investigadores de topo na área das Ciências da Vida.

 

A parceria com a NMS|FCM-NOVA é um reforço da aposta que a Novartis tem vindo a fazer para construir parcerias com a Academia, fomentando o desenvolvimento de projectos inovadores junto das Universidades, que sejam reconhecidos pela comunidade médica. Esta Bolsa é um apoio à investigação fundamental e aplicada em Doenças Crónicas, procurando sempre ir ao encontro das necessidades do doente, contribuindo para o cumprimento da missão que a Novartis assume: Cuidar e Curar.

 

A decisão da Bolsa a atribuir será tomada com base na classificação dada por uma Comissão Científica que integra os Coordenadores dos Programas Doutorais: Professora Doutora Ana Félix (Representante do Programa Doutoral em Medicina e Ciências da Vida), Professor Doutor António Rendas, Professor Doutor João Manuel Videira Amaral, Professor Doutor José Luís Medina, Professor Doutor José Sampaio Faria, Professor Dr. Luís Novais, Professora Doutora Teresa Sandinha, Professora Doutora Maria João Marques Gomes (Presidente do Júri).

 

Fonte: comunicado de imprensa 

Octapharma cessa vínculo contratual com José Sócrates

26/11/2014 - 08:49


A multinacional farmacêutica Octapharma cessou esta terça-feira o vínculo contratual que mantinha com o ex-primeiro-ministro José Sócrates, em prisão preventiva em Évora, indiciado pelos crimes de branqueamento de capitais, corrupção e fraude fiscal qualificada, avança a agência Lusa, citada pelo Diário Digital.


A Octapharma referiu, em comunicado enviado à Lusa, que, "face aos últimos desenvolvimentos, entende não estarem reunidas as condições para manter a colaboração com José Sócrates".
A empresa, com sede na Suíça, esclareceu que José Sócrates "integrou o Conselho Consultivo para a América Latina (...) desde Janeiro de 2013, justificadas pelo conhecimento que este tinha do referido mercado".

 

"O relacionamento profissional entre a Octapharma AG e José Sócrates sempre se pautou pelo estrito cumprimento da Lei e por um vínculo contratual claro e transparente", acrescenta a Octapharma.

 

A Octapharma afirma ainda que as funções de Sócrates "nunca envolveram qualquer atividade em Portugal ou relacionamento com a filial portuguesa", e que manifestou disponibilidade "para colaborar com as autoridades, esclarecendo toda e qualquer questão que possa surgir, por parte destas, em qualquer âmbito".

 

A multinacional salientou ainda que Sócrates, em prisão preventiva em Évora, "goza, como todo e qualquer cidadão, de presunção de inocência".

 

O ex-primeiro ministro foi detido pouco depois das 22:00 de sexta-feira, no aeroporto de Lisboa, depois de viagem desde Paris, tendo sido transportado de imediato para o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), onde lhe foi comunicado que estava indiciado dos crimes de branqueamento de capitais, corrupção e fraude fiscal qualificada.

 

Com os mesmos crimes, Carlos Santos Silva, amigo de longa data de José Sócrates, e o advogado Gonçalo Trindade Ferreira também foram detidos na quinta-feira.

 

Igualmente detido nesse mesmo dia, o motorista de Sócrates, João Perna, está indiciado de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e detenção de arma proibida.

 

Na segunda-feira, foi aplicada a prisão preventiva a Sócrates, Perna e Santos Silva.

 

O Tribunal Central de Instrução Criminal não determinou a Gonçalo Trindade Ferreira medida de coação restritiva de liberdade, impondo-lhe as proibições de ausência para o estrangeiro e de contactar com os demais arguidos assim como a obrigação de apresentação bissemanal no DCIAP.

 

Fonte: Lusa/Diário Digital
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=747557

RCM Pharmagazine

PHARMAGAZINE

Edição 18 online

 

 

A Revista de Comunicação e Marketing

 
 
 

Partners
Developed by