Galiza constrói Centro de Saúde a pensar nos utentes portugueses

10/02/2012 - 09:23


O novo centro de saúde de Tui, cuja obra está para ser lançada pelo Governo Regional da Galiza, "já está pensado" para receber utentes portugueses, revelou o presidente da Câmara de Valença, citado pela agência Lusa.


A informação foi avançada por Jorge Mendes horas antes de, esta sexta-feira, os municípios de Valença e Tui formalizarem a constituição da segunda eurocidade entre o Norte de Portugal e da Galiza, depois de Chaves-Verín.


"Para nós seria uma óptima solução podermos recorrer a Tui", admitiu Jorge Mendes, acrescentando que a construção do novo equipamento de saúde, do outro lado da fronteira, "está para ser lançada a qualquer momento".


"A novidade é mesmo essa, que já está pensada para receber os utentes, além de Tui e de outros municípios galegos próximos, também portugueses, o que é muito importante para o nosso projecto de eurocidade que agora começa", apontou.


Recorde-se que as urgências nocturnas do Centro de Saúde de Valença encerraram, de forma polémica, em 2010, o que levou a população local, na altura, a recorrer à vizinha unidade de saúde galega.


Em protesto, os moradores de Valença chegaram a hastear dezenas de bandeiras espanholas pela cidade.


A constituição oficial da eurocidade Valença-Tui acontece esta sexta-feira e apesar de o governo regional da Galiza estar representado "ao mais alto nível", do lado português o Governo representar-se-á apenas pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).


"O que nos foi dito é que não havia disponibilidade de agenda e que a representação portuguesa seria feita pelo presidente da CCDR-N em exercício. Gostava de ter uma representação a outro nível, mas que posso fazer? Fica para a próxima", afirmou Jorge Mendes.


Esta será a segunda eurocidade ibérica mas, segundo o autarca, permitirá formalizar o que "em parte" já é uma realidade.


É o caso da piscina municipal de Valença, cuja manutenção custa 450 mil euros por ano e em que a autarquia assegura cerca de 300 mil euros. Dos 1700 utilizadores mensais do equipamento, mais de 60 por cento são galegos.


"Podemos dizer que a piscina de Tui fica em Valença, face à utilização que temos. No próximo orçamento municipal, com a formalização da eurocidade, já espero contar com alguma verba da parte galega para esta gestão", sublinhou o autarca.


A gestão destas "contas", garante, será feita precisamente através da utilização do futuro cartão de cidadão da eurocidade.


Já do lado português, o interesse vai, por exemplo, para o Conservatório de Música de Tui, frequentado por dezenas de jovens de Valença, cuja gestão também poderá ser conjunta.
 

Partners
Developed by